Atualmente, grande parte das aplicações favoritas dos utilizadores a nível mundial são de utilização gratuita, graças à publicidade existente nas mesmas. No entanto, e se assim não fosse? Estariam eles dispostos a pagar para utilizar este tipo de serviços?
Uma nova pesquisa, desenvolvida pela agência de publicidade e design McGuffin Group, propôs-se a medir o preço base que os utilizadores estariam dispostos a pagar por 16 das apps mais usadas no mundo – e, adicionalmente, se estes estariam dispostos sequer a pagar qualquer tipo de valor, ou se preferiam interromper o uso da aplicação e não ter qualquer tipo de acesso a uma alternativa gratuita.
Assim, o estudo concluiu que a maioria dos utilizadores estaria disposto a pagar pelas aplicações referenciadas no mesmo, sem exceção. Desta forma, o YouTube (4,20 dólares/mês), o Google Maps (3,48 dólares/mês) e o Google Drive (3,31 dólares/mês) configuram-se como as aplicações capazes de fazer com que os seus utilizadores despendessem um maior valor para poder prosseguir com a sua utilização.
Neste ranking, a estas aplicações seguem-se, respetivamente, o Facebook, o LinkedIn, o FaceTime, o Reddit, o Venmo, o Instagram, o Facebook Messenger, o WhatsApp, o Twitter, o Google Translate, o Pinterest, o Snapchat e o Yelp.
Image